Segundo estudo da Abrasem, venda de sementes piratas resulta em prejuízo de R$ 2,5 bilhões por ano no BR

A Apasem lançou nesta terça-feira, 6, durante o Show Rural Coopavel, em Cascavel, PR, a campanha "Tenha uma atitude legal: use sementes certificadas". A entidade se baseou em estudo da Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem), que indica que a comercialização ilegal de sementes piratas resulta em prejuízo de R$ 2,5 bilhões por ano no Brasil.
"No Paraná, as perdas correspondem a R$ 464,1 milhões por ano", disse a Apasem, em nota.

A associação paranaense alerta ainda que quem usa semente pirata se expõe inclusive a risco legal, pois se trata de atividade à margem da lei; a riscos fitossanitários; a riscos financeiros, pois a semente pode não germinar, e a riscos de atraso tecnológico, entre outros.

O estudo levou em consideração as principais culturas agrícolas no Brasil, como algodão, arroz, feijão, milho, soja e trigo. "Não podemos nos tornar reféns da pirataria. Se não prestarmos atenção e alertarmos a sociedade sobre os riscos, em um futuro muito próximo as pesquisas voltadas ao melhoramento de sementes tendem a diminuir drasticamente", ressalta o diretor executivo da Apasem, Clenio Debastiani.

Para o engenheiro agrônomo e presidente da Associação Brasileira de Obtentores Vegetais (Abraspov), Ivo Marcos Carraro, o produtor de sementes piratas "foca no que é mais demandado, porém não entrega garantia nenhuma aos seus potenciais compradores".

Entre as medidas para coibir a prática da pirataria, a Apasem defende ajustes na legislação no sentido de reconhecer o direito da propriedade intelectual. A segunda estratégia seria racionalizar a possibilidade de se salvar semente.
Já a terceira diz respeito à fiscalização mais efetiva a fim de coibir e retirar do mercado a produção e comercialização de sementes ilegais. "Por fim, um trabalho de conscientização por meio de uma discussão que envolva todas as entidades em fóruns técnicos, buscando o entendimento dos efeitos negativos da pirataria."

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte: dbo

Notícias