Maior safra da história pode influir no custo da cesta básica

O Brasil terá a maior produção de café da sua história. É o que confirma o 2º levantamento da safra 2018, divulgado nesta quinta-feira (17) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A quantidade total deve ficar em 58 milhões de sacas beneficiadas de 60 quilos.

De acordo com o diretor do Departamento do Café do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Sílvio Farnese, “temos uma boa produção esse ano, é considerada uma das melhores nos últimos anos. É bom destacar que essa produção está em função da bienalidade da cultura, da questão climática, mas sobretudo do crescimento da produtividade. Nós estamos com um crescimento na ordem de 30%, mostrando o dinamismo do café, e que essa cultura está cada vez mais profissional com respostas muito boas”.

A safra anterior alcançou 44,9 milhões de sacas do grão, que sofreu com adversidades climáticas.

No último período de alta bienalidade, que ocorreu em 2016, o país teve uma produção de 51,4 milhões de sacas, considerada até então a maior do país e superada pela safra 2018. Outro motivo para os números positivos seria o avanço do pacote tecnológico neste setor, sobretudo de variedades mais produtivas.

Farnese explica que o uso de novas tecnologias incorporadas à área de cultivo e à colheita fazem com que o café brasileiro seja de qualidade melhor do que no passado, demonstrado nos testes de qualidade que têm sido feito no Brasil.

O diretor ressalta ainda que “o café brasileiro tem repercussão no exterior, uma aceitação muito boa, onde participamos com quase 35% do mercado global”.

Em relação aos preços do café ao consumidor, Farnese disse que “certamente já estamos vendo no mercado um preço de café reduzido. Nos últimos dois meses caiu cerca de 3% o preço do café torrado na gôndola, e isso naturalmente influi no custo na cesta básica”.

Segundo o estudo da Conab, a quantidade total engloba o café arábica e o conilon. Com relação ao arábica, a produção estimada é de 44,3 milhões de sacas, ou seja, um acréscimo de 29,4%. Já a quantidade de conilon deverá chegar a 13,7 milhões de sacas, com aumento de 27,9%.

O maior estado produtor é Minas Gerais, com um total de 30,7 milhões de sacas, sendo 30,4 milhões de arábica e 335,8 mil sacas de conilon.

No Espírito Santo, a produção chegou a 12,8 milhões de sacas, com 8,3 milhões para conilon e 4,5 milhões para o arábica.

Em São Paulo, onde só é produzido o café arábica, a quantidade chegou a 6,1 milhões de sacas. A Bahia também apresentou bons resultados, com produção de 2,7 milhões do conilon e 1,8 milhões do arábica.

A área total, que engloba os cafezais em formação e em produção em todo o país, deve atingir 2,17 milhões de hectares, sendo 287,7 mil em formação e 1,9 milhão de hectares em produção.

Acesse o Boletim de Levantamento da Safra do Café.

Mais informações para a imprensa:
Gerência de Imprensa da Conab
(61) 3312-6338/6344/6393/2256/6364/6389
imprensa@conab.gov.br



Fonte: Ministério da Agricultura

Notícias