Com a preocupação de levar ao produtor rural informações acerca da produção de energia renovável, a Sociedade Rural de Maringá promoveu ontem uma palestra com o engenheiro João Luiz Vannizini Ferrer, da Paraná Solar Energy, como parte da programação da Agrocampo 2017.

Ferrer discorreu sobre a matriz energética global, nacional e deu destaque à produção de energia solar, considerando que o Brasil é o país com maior potencial mundial neste tipo de fonte. De acordo com o Balanço de Energia Nacional de 2016, a capacidade de geração de energia renovável do Brasil chega a 81,7%, enquanto no mundo é de apenas 21,2%.

O engenheiro lembrou que grande parte da energia renovável no país vem das usinas hidrelétricas. Segundo ele, a expansão de outras fontes sempre sofreu entraves na regulamentação brasileira. Somente a partir de 2005, a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) começou a flexibilizar as normas e, em 2012, permitiu que pequenos produtores possam produzir energia e compor a rede de distribuição no País.

No ano de 2014, o Brasil contava com apenas 150 instalações de geração de energia solar, dando um salto para 14.957 instalações no ano de 2017.  Na avaliação de Ferrer, o crescimento se deu em razão da melhoria na legislação, maior disponibilidade de financiamento bancário e redução nas taxas de impostos. “Isso tudo significa redução de barreiras, mas ainda é incipiente”, comentou.

No final deste ano, o Governo Federal fará novos leilões para a compra de energia e a expectativa do mercado é que haja um bom aumento da matriz solar. Outra matriz que vem crescendo no País é a energia eólica. No ano de 2015, houve a geração de 3,5% desse tipo de energia e, em 2016, chegou a 5,4%, conforme dados da ANEEL.


Fonte: Assessoria de Imprensa SRM

Notícias