A pecuária leiteira registrou o maior crescimento no primeiro semestre de 2017: 24,8% superior ao mesmo período de 2016

 Com a expectativa de encerrar 2017 com balanço positivo, o mercado de genética bovina no Brasil ampliou as vendas internas e as exportações de sêmen no primeiro semestre do ano. O crescimento foi de 7,6% no mercado nacional e de 60,4% no mercado externo, conforme o relatório semestral do setor, o Index ASBIA 2017, divulgado nesta semana pela Associação Brasileira de Inseminação Artificial (ASBIA). Os dados foram processados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

A pecuária leiteira registrou o maior crescimento no primeiro semestre de 2017: 24,8% superior ao mesmo período de 2016. “Os produtores de leite investiram fortemente no melhoramento genético de seus rebanhos, com o objetivo de recuperar o preço do leite e manter os custos de produção menores”, explica o presidente da ASBIA, Sérgio Saud.

Na pecuária de corte, o mercado enfrentou as consequências da crise política, como a Operação Carne Fraca e a delação da JBS, e a volta da cobrança do imposto Funrural. Mesmo diante desse cenário, as vendas de sêmen tiveram uma queda inferior à esperada pelo setor, fechando o primeiro semestre com uma leve baixa de 3,4%. Segundo o presidente da ASBIA, esse resultado sinaliza que o pecuarista de corte manteve suas intenções de investir em genética, pensando na estabilidade do mercado nos próximos anos.

Outro indicativo de que as técnicas de Inseminação Artificial (IA) e de Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF) vêm crescendo no País é a venda de botijões de sêmen de até 20 litros. O crescimento, no primeiro semestre, foi de 28%, índice reforçado pela pecuária leiteira, que teve quase 25% de elevação. “De forma geral, o resultado da venda de sêmen foi supreendentemente positivo. E isso nos faz acreditar que o segundo semestre seguirá a mesma tendência, com uma possível recuperação na venda de sêmen de corte e a manutenção do crescimento”, ressalta Sérgio Saud.

 

 Mais Portal DBO.


Fonte: DBO

Notícias