Estimativa da Conab é de que a produção nacional fique entre 223,3 e 227,5 milhões de toneladas em 2017/2018

A safra brasileira de grãos em 2017/2018, em fase de plantio, deve ficar entre 223,3 milhões e 227,5 milhões de toneladas. O resultado corresponde a uma queda de 6,2% a 4,4% em comparação com o recorde da safra passada, que foi de 238 milhões de t. Os números fazem parte da segunda estimativa de intenção de plantio, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada nesta quinta-feira, 9 de novembro. Na primeira estimativa, de outubro, a safra foi estimada pela Conab entre 224,1 milhões e 228,2 milhões de t.

Conforme comunicado da Conab, a perspectiva de redução é atribuída ao fato de que a safra passada registrou recorde de produtividade graças às boas condições climáticas, cenário que pode não se repetir no atual período. A soja, por exemplo, alcançou produtividade de 3.364 kg/hectare na safra 2016/2017. Para a safra atual, a produtividade estimada é de 3.075 kg/hectare, com base nas análises estatísticas das séries históricas e dos pacotes tecnológicos utilizados nos últimos anos.

A Conab acrescenta que a área plantada, favorecida pelo aumento do plantio de algodão e, sobretudo, da soja, deve registrar manutenção ou um aumento de até 1,9%, podendo alcançar números que variam de 61 milhões a 62 milhões de hectares.

Soja e milho, as principais culturas desta safra, devem responder por cerca de 89% dos grãos produzidos do País, de acordo com a Conab. A expectativa é de que a produção de soja alcance entre 106,4 milhões e 108,6 milhões de toneladas

A safra de milho total (são duas safra por ano), entre 91,6 milhões e 93,1 milhões. A primeira safra de milho pode alcançar números menores que os do último período e ficar entre 24,46 milhões e 25,88 milhões de t (menos 19,7% a menos 15%), enquanto que a segunda safra pode alcançar 67,2 milhões de toneladas.

A área do milho primeira safra deve recuar de 11,5% a 7,5% em relação a 2016/2017, o que vai refletir na diminuição da área total da cultura, estimada entre 631,6 e 409,6 mil hectares. No caso da soja, a maior liquidez e a possibilidade de melhor rentabilidade frente a outras culturas deve estimular o preparo de uma maior área para produção, com elevação média de 3,1%, algo entre 34,6 e 35,3 milhões de hectares.

A produção de algodão em pluma deverá ser maior, entre 5,5% e 15,3% em relação à safra anterior, de 1,61 milhão a 1,78 milhão de t.

A safra de arroz deverá ser menor que a safra passada, entre 6,3% e 3,7%, ficando entre 11,55 milhões e 11,87 milhões de toneladas.

Já a primeira safra de feijão (são três ao longo do período) deverá ter redução de 14% a 10,1%, de 1,27 milhão a 1,22 milhão de t. A safra total da leguminosa em 2017/18 deve ficar entre 3,24 milhões e 3,30 milhões de t (menos 4,7% a menos 3,0%).

A pesquisa foi feita nos principais centros produtores de grãos do país, entre os dias 23 a 27 de outubro.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte: DBO

Notícias