Para presidente da Frísia, mudanças já são realidade, mas é preciso conectar produtores e pesquisas

O campo sempre utilizou as principais tecnologias desenvolvidas, do plantio à colheita, da criação à industrialização, implementando novidades que aumentassem a produtividade e simplificassem o trabalho na terra. Porém, com a aceleração na criação de tecnologias, principalmente das digitais, pode ser complicado se manter atualizado. Mas o fato é que elas chegaram ao campo para ficar. Essa é a avaliação de Renato Greidanus, presidente da Frísia Cooperativa Agroindustrial, que organiza nesta quinta e sexta-feira a Digital Agro, feira de tecnologia para o agronegócio, em Carambeí, PR. “Sabemos que é uma realidade e só tende a crescer. Não vamos voltar para trás”, diz.

Em entrevista ao Portal DBO, Greidanus explica que o objetivo da Digital Agro é justamente apresentar ao produtor essas novas tecnologias e conectá-lo com quem oferece esses serviços. Segundo ele, além de ajudar na produtividade, redução de custos e facilitarem alguns aspectos da produção, as tecnologias também podem ser atrativo para que os mais jovens se interessem pelo agronegócio. “As novas gerações são mais ávidas e têm uma capacidade maior de assimilar e aplicar esses conhecimentos”. Ouça a entrevista completa:

Fonte: Portal DBO

Fonte: DBO

Notícias